Início > games, Rio, RPG > Gamecraft – Primeiro dia

Gamecraft – Primeiro dia

Gamecraft

Hoje foi, como diz o título, o primeiro dia do Gamecraft, evento organizado pelo Yanko e Tinnus da UFRJ (e da Devoid Games, que fez o Sumo Checkers). A ideia é mostrar aos desenvolvedores cariocas que eles não são uma ilha, são um arquipélago que pode se aproximar e formar um continente.

Começamos com a abertura do evento com Yanko introduzindo a equipe da organização, falando qual a ideia do evento e o que nos esperava no primeiro dia e da surpreendente relação entre bandas e grupos independentes de desenvolvimento. Acreditem, a correlação é bem válida e dá pra se identificar com muita coisa ali, ainda mais se você já teve uma banda.

Yanko, o mestre de cerimônias

Antônio Marcelo da Riachuelo Games foi o primeiro palestrante convidado, mostrando a trajetória da Riachuelo, erros e acertos e compartilhando a experiência de projetar jogos, sejam eles eletrônicos ou tradicionais, como cartas ou de tabuleiro. Falou sobre o Projeto NAVE do Oi Futuro onde dá aula e os próximos lançamentos em jogos de tabuleiro de sua empresa. Conversei com o Antônio algumas vezes durante o evento e ele se mostrou bastante surpreso que eu ainda me lembrava do Fortaleza de Berdolock, um RPG solitário, que é diferente de uma aventura solo como O Feiticeiro da Montanha de Fogo, já que é essencialmente um emulador de dungeon crawl, com geração aleatória de corredores à medida que se adentra a masmorra do feiticeiro que dá nome ao jogo. Na época do lançamento, troquei alguns emails com ele e acabei sendo creditado como um dos jogadores de playtest na expansão Os Pergaminhos Perdidos de Berdolock – Tomo 1, o que me deixou muito feliz de ter podido contribuir com o meu hobby. A quem interessar, o Antônio deu um “raise dead” nos arquivos do jogo, que podem ser encontrados em seu blog. Eu acho bem interessante, embalou madrugadas após o cursinho quando os jogos de AD&D estavam rareando por causa do vestibular, leve para qualquer lugar com um par de dados, papel e lápis!

Veio então o almoço e pude conhecer brevemente um pouco da UFRJ. Como na PUC, há pilotis e a cidade universitária só não é de fato uma cidade por faltar coisas como supermercado e dormitórios para alunos que vêm de fora da capital (dizia um professor do colégio que o antigo dormitório estava ocupado até por pessoas que não tinham relação com a universidade), porque de tamanho já é uma cidade interiorana. Guiados por Ilapso e Ninja Inimigo do Baixo Frente Soco, fomos almoçar no restaurante do prédio do COPPE (mais barato que o Couve-Flor da PUC, com qualidade igual ou superior) e vimos brevemente alguns laboratórios enquanto voltávamos para o congresso. Aqui cabe a minha constante constatação de que deveria ser político: encontrei dois conhecidos na UFRJ que não via há tempos.

No retorno às atividades do evento, as palestras seguintes foram de Fernando Ribeiro, de Treinamento Shaolin e Tales of Bast (o cara é multiclasse, junta as perícias de designer, artista 3D e programador), Guilherme Xavier de Capoeira Legends e do Gamerama, apresentando um post-mortem do Capoeira (post-mortem é algo que deveria ser incentivado, queremos saber o que deu certo e o que deu errado e sob quais circunstâncias, compartilhar faz bem e ajuda a criar cabelo no peito!) e terminamos o dia com o Christopher da antiga Southlogic que foi comprada pela Ubisoft, falando sobre como um tema como casamento levou ao desenvolvimento de um jogo que conquistou a atenção da empresa européia e à compra da Southlogic.

Gostei muito desse primeiro dia do evento, por não ter forçado um viés acadêmico demais nem ser puro showbizz, o evento se destacou pela troca de experiências e o incentivo ao networking (essa buzz word…), o clima menos formal e o tamanho reduzido se comparado ao SBGames contribuiu para nos sentimos mais à vontade de ser cara-de-pau e ir falar uns com os outros. Correrias e alguns improvisos sagazes sempre acontecem em eventos, até agora a organização está de parabéns. Deixo como sugestão para um próximo evento tentar trazer o Túlio Adriano, brasileiro da Watermelon, empresa que desenvolveu o Pier Solar para Mega Drive, como já comentei aqui.

Amanhã é dia de mais palestras e a apresentação dos jogos independentes. Lights Out! e Seu Espião Safado! foram enviados e os mostraremos ao público para críticas. Até amanhã!

Anúncios
Categorias:games, Rio, RPG
  1. junho 17, 2011 às 20:33

    WTF Sumo Fighters? O nome do jogo é Sumo Checkers =P

    • junho 18, 2011 às 10:47

      Devidamente corrigido. Se eu tivesse escrito o post do segundo dia na mesma seqüência sem dormir, acho que tinha até falado de parcerias que não existem =)

      Vamos falar sobre o encerramento agora!

  1. No trackbacks yet.

E o seu comentário?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: