Início > RPG > #RPGaDay – Dia 18 – Sistema de jogo favorito

#RPGaDay – Dia 18 – Sistema de jogo favorito

Agosto é mês da GenCon, uma convenção de jogos famosa nos EUA por ser onde a Hasbro/Wizards of the Coast anuncia novidades para D&D. O designer David Chapman propôs uma série de posts no mês para compartilharmos experiências. Para o Pizza Frita, isso é bom para testar alguns posts mais curtos e reviver o blog. Vamos lá e não se esqueça de comentar!

Dia 18 – Sistema de jogo favorito

Não posso negar, depois dessa série toda de posts, que meu sistema favorito foi o AD&D 2ª Edição. Embora goste da simplicidade do D&D da caixa preta da Grow, e tenha acabado buscando essa mesma simplicidade no Old Dragon, o lugar especial do AD&D é mantido pela campanha de 7 anos que mantive com meus amigos em Forgotten Realms e pelas outras antes dessa, como a campanha de First Quest que jogamos por um tempo alguns anos antes dessa.

A segunda edição do AD&D era um tiro de canhão comparado com uma pistola em relação ao D&D que jogávamos. Expandia a lista de classes de personagem, de raças, introduzia coisas como perícias com armas e perícias comuns, que acabavam diferenciando os personagens, embora não usássemos a toda hora. A introdução de kits de classe, para customizar ainda mais o personagem, dando desde os níveis iniciais a cara de que aquele paladino era na verdade um caçador de dragões em treinamento, os próprios cenários que acompanharam o lançamento do AD&D no Brasil… Era tanta coisa nova, tantas possibilidades. E nem chegamos a conhecer o AD&D 1ª Edição. Hoje tenho ele ali na prateleira, ainda embalado, pronto pra ser comparado com a 2ª.

Os livros de opções, como os Player’s Options e os DM Options traziam mudanças nas regras e novas manobras que procuravam corrigir alguns dos problemas que foram identificados no AD&D e acrescentar opções. Algumas dessas sugestões foram incorporadas ao que se tornou o D&D 3ª Edição.

Se formos analisar como o sistema evoluiu do AD&D 1ª Edição e o que levou à criação do D&D 3rd, veremos que essa paixão pelo AD&D 2nd é mais saudosismo que ter um sistema de regras coerente e que não fosse quebrado. Claro que a 3ª Edição também teve seus problemas e ficou quebrada com a miríade de talentos e classes de prestígio, essas que vieram substituindo os kits de classe, mas acabaram atrasando para níveis posteriores a tradução em regras do conceito do personagem.

Tentar entrar no mérito de entender o que levou a 2ª edição e a 3ª a serem o que foram ou defender porque uma é melhor que a outra está longe do escopo desse post. Dizer que o texto descritivo dos livros da 2ª era melhor do que o dos livros da 3ª é ignorar o foco de cada edição e o que motivava o lançamento de novos livros. Assim como qualquer outra edição, cada uma tem seu propósito, seu público alvo e o zeitgeist da época em que foram desenvolvidas.

Para mim, toda essa carga de 7 anos de campanha, diversos suplementos baixados via Kazaa e Emule para enriquecer o background das aventuras e as risadas e roladas de dados junto a amigos na mesa tornam o AD&D 2ª edição meu sistema favorito. E provavelmente, dada uma aleatoriedade qualquer, a resposta poderia ser outro sistema qualquer, mas com a mesma justificativa.

rpgaday

Anúncios
Categorias:RPG
  1. Nenhum comentário ainda.
  1. agosto 23, 2014 às 11:08

E o seu comentário?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: