Archive

Posts Tagged ‘Untagged’

Vlogs

Apenas um rápido comentário, em forma de 4koma, sobre como eu acho bizarro o que está acontecendo com a “comunidade” video logger. Estrelando uma cara que o PC Siqueira fez e uma garota que fez homenagem a ele. A outra ali não lembro porque andou de triciclo, mas foi um dos motivos de fazer esse 4koma.

Categorias:Untagged Tags:

Mundo 0-1

Eu já ouvi falar de um mundo -1 no Super Mario Bros, em que era um mundo na água sem final e sem inimigos, você morria pelo tempo. O -1 era porque não havia caracter para ser escrito.

Agora, o mundo 0-1 eu descobri agora. Não sei porque raios o meu emulador do Ubuntu, o GFCE Ultra NES Emulator, resolveu começar sempre nesse mundo. As roms (testei duas) não eram modificadas, e não sei do emulador ter cheats embutidos.

A diferença do mundo 0-1 pro mundo -1 é que o primeiro tem inimigo sim. Há uma planta carnívora saindo de um cano logo no início.

E apesar do mundo ser aquático e tocar música de mundo de água, na verdade é um castelo submerso, já que tem a ponte levadiça (mas sem Bowser) e há uma tosca cena final onde um Toad fantasma agradece pela ajuda, mas a princesa está em outro castelo.

Toad fantasma bobo, eu não estou vendo você.

Já aconteceu isso com vocês?

Categorias:Untagged Tags:

Barba, cabelo e bigode

O título correto seria só barba, porque depois de um pouco mais de um mês sem fazer a dita cuja, apenas o pescoço, resolvi que era hora de voltar a conseguir ver meu rosto no espelho. E também porque quando percebi que ao beber água empapava o bigode, era hora de dar um basta e ser higiênico.

Então, ao modo do Cinco Síncopes do Jan, resolvi escrever 5 – 1 (oi, entenderam? 5 – 1 = 4) fatos da minha barba =D

1 – Cor
Estranhamente (ou não), minha barba tem alguns pelos ruivos. Acho que tenho problema com cores, já que sou moreno de barba ruiva e já disseram que na piscina (tanto de água natural quanto clorada) meu olho ficava esverdeado. Ou meus genes são um pouco daltônicos e se confundem com as cores certas, ou é genético mesmo, já que meu pai era ruivo quando nasceu e eu tinha 50% de chance de nascer com olhos claros.

2 – Tamanho
Ahh, o tamanho, esse documento informal! Nunca cheguei a ter uma barba como a do Stallman, mas consigo parecer um profeta (ou mendigo, decidam-se). O que acho chato é a barba insistentemente descer pelo pescoço, o que fica feio, aí preciso aparar e fico que nem um boneco Falcon.

3 – Cavanhaque, bigode ou tudo?
Eu particularmente prefiro deixar a barba por inteira. Se é pra usar, que enfie o pé na jaca e use tudo. Bigode eu deixei para tirar umas fotos como traficante colombiano uma vez, mas só pra isso mesmo, o resultado é que ou fico parecendo traficante colombiano ou policial americano que come donuts. Com o cavanhaque, embora tenha amigos meus (oi Lourival, oi Natália) que achem cavanhaque bonito, não gostei muito do resultado. Eu não tenho cara de latin lover nem de capeta.

4 – Motivação
O que me motivou a deixar a barba? De fato começou com a preguiça, depois com os elogios. Quem disse que um pouco de procrastinação não leva a nada?

Bônus! – Inspiração
Ué, não ia só até 4? Pois é, não queria perder a piada dali de cima, e resolvi botar a inspiração como bônus. A idéia da barba começou justamente pela motivação, não houve uma inspiração. Pelo menos, não procurei me espelhar nos sábios gregos, não depois de ver a ilustração de um simpósio…

Eta gregaiada, vocês não enganam ninguém! – Fonte da imagem: Wikipedia
Categorias:Untagged Tags:

Zum para Leigos

Esse post foi inspirado pelo atual post do blog do Jan, o Cinco Síncopes, sobre brincadeiras sociais entre amigos. Lembrei de um jogo que teve em um churrasco, o Zum, que eu já tinha colocado no Google Docs mas não havia disponibilizado para todos.

Pois bem, esse erro foi corrigido e vos deixo com Zum!

Zum é um jogo de bêbados. Aprendi isso em um dos churrascos do pessoal dos primeiros períodos, esse backup é de maio de 2006. Como qualquer jogo de bêbado, é feito para quem errar tomar uma dose da bebida em questão.

Os jogadores sentam-se em roda e decidem aleatoriamente quem começa. Cada jogador pode dizer as palavras válidas que indicam qual é o próximo participante. O sentido normal é o horário.

Regras:

Zum – Passa para o próximo jogador no sentido atual.
Lombada – Pula um jogador no sentido atual.
I (Ih) – Inverte o sentido (de horário para anti-horário) e passa para o próximo jogador no novo sentido.
Lombadinha – Pula um jogador para trás, mas não inverte o sentido.

O jogador que errar ou falar fora de sua vez deve tomar a bebida. Preenche-se novamente o copo e é dado início a uma nova rodada a partir do jogador que errou.

Esse programa foi feito numa manhã de sábado pós-churrasco para curar a ressaca de forma lúdica e não se preocupa em manter uma boa estrutura de código ou permitir reinício da partida.

#include <stdio.h>;
#include <stdlib.h>;
#include <string.h>;
#include <math.h>;

/* Funcoes de jogo e impressao */
void zum (int* posicao, int* flag_i){
   if (*flag_i == 1){
      *posicao -= 1;
      return;
   }
   else{
      *posicao += 1;
      return;
   }
}

void lombada (int* posicao, int* flag_i){
   if (*flag_i == 1){
      *posicao -= 2;
      return;
   }
   else{
      *posicao += 2;
      return;
   }
}

void i (int* posicao, int* flag_i){
   if (*flag_i == 0){
      *posicao -= 1;
      *flag_i = 1;
      return;
   }
   else{
      *posicao += 1;
      *flag_i = 0;
      return;
   }
}

void lombadinha (int* posicao, int* flag_i){
   i(posicao, flag_i);
   lombada(posicao, flag_i);
   i(posicao, flag_i);
   return;
}

int analisa_jogada(char* jogada, int* posicao, int* flag_i){
   if ((strcmp(jogada, "zum") == 0) || (strcmp(jogada, "ZUM") == 0)){
      zum(posicao, flag_i);
      return 0;
   }
   else{
      if ((strcmp(jogada, "lombada") == 0) || (strcmp(jogada, "LOMBADA") == 0)){
         lombada(posicao, flag_i);
         return 0;
      }
      else{
         if ((strcmp(jogada, "i") == 0) || (strcmp(jogada, "I") == 0)){
            i(posicao, flag_i);
            return 0;
         }
         else{
            if ((strcmp(jogada, "lombadinha") == 0) || (strcmp(jogada, "LOMBADINHA") == 0)){
               lombadinha(posicao, flag_i);
               return 0;
            }
            else{
               return 1;
            }
         }
      }
   }
}

void analisa_posicao (int* numero, int* posicao){
   if (*posicao < 0){
      *posicao = *numero - fabs(*posicao);
      return;
   }
   else{
      if (*posicao >= *numero){
         *posicao = *posicao - *numero;
         return;
      }
   }
}

void atualiza (int* n, int* posicao, int* vetor){
   int i;
   for(i = 0; i < *n; i++){
      if (i == *posicao){
         vetor[i] = 1;
      }
      else{
         vetor[i] = 0;
      }
   }
   return;
}

void imprime (int *n, int* vetor){
   int i;
   printf("\n");
   for (i = 0; i < *n; i++){
      printf("%2d ", vetor[i]);
   }
   printf("\n");
   for (i = 0; i < *n; i++){
      printf("%2d ", i+1);
   }
   printf("\n");
   return;
}

/* Principal */
int main (void){
   int participantes = -1;
   char jogada[11];
   int* jogadores;
   int flag_i = 0;
   int posicao = 0;
   int rodada = 0;
   int em_jogo = 1;

   printf("\n*******************\n*\tZum\t  *\n*******************\n\n");

   do{
      printf("Entre com o numero de jogadores: ");
      scanf("%d", &amp;participantes);
   } while (participantes &lt;= 0);

   jogadores = (int*)malloc(participantes*sizeof(int));

   /* Loop */

   while(em_jogo == 1){

      printf("\nRodada %d:\n", rodada);
      atualiza(&participantes, &posicao, jogadores);
      imprime(&participantes,jogadores);
      printf("\nJogadas possiveis:\nzum\t\ti\nlombada\t\tfim\nlombadinha\n\n");
      printf("Entre com a jogada: ");
      scanf(" %10[^\n]", jogada);

      if ((strcmp("fim",jogada) == 0) || (strcmp("FIM",jogada) == 0)){
         break;
      }
      else{
         if (analisa_jogada(jogada, &posicao, &flag_i) == 1){
            printf("\nJogada invalida!\n");
            continue;
         }
         else{
            analisa_posicao(&participantes, &posicao);
         }
      }
      rodada++;
   }

   free(jogadores);
   printf("\nObrigado por me utilizar.\n");

   return 0;
}

PS: Esse syntax highlighting eu devo ao Google ter me indicado o site http://www.craftyfella.com/2010/01/syntax-highlighting-with-blogger-engine.html após alguns segundos de pesquisa. Nesse outro link, há mais opções de brushes.

PS2: Eu to devendo as regras do Idiota. Um dia eu escrevo direito e posto aqui com direito a imagens.

PS3: Esse eu to indo jogar agora =)

Categorias:Untagged Tags:

Resultados do Google Analytics

maio 16, 2010 1 comentário

Algum tempo sem postar, e após uma prova de PAA e entregas (ou quase) de trabalhos de Fundamentos de Computação Gráfica, resolvi hoje dar uma olhada no esquecido e empoeirado Pizza Frita.

De vez em quando, o Vinícius do Shrubbles’n’Shrubbles (hoje é aniversário dele pessoas, dêem os parabéns!) faz um report de quantos acessos ele teve, segundo dados do Google Analytics. Resolvi fazer o mesmo, após inscrever meus sites também no Google Webmaster Tools para ter mais dados mastigados.

Entre 15 de Abril e 15 de Maio, tive 35 acessos ao meu blog vindos do Brasil, 4 acessos da Rússia e 2 acessos vindos da Alemanha e Portugal (Diogo, foi você?). Dos acessos brasileiros, temos a seguinte distribuição: Rio de Janeiro (16), Curitiba (6), Sao Paulo (4), Porto Velho (1), Porto Alegre (1), Belem (1), Santo Andre (1), Recife (1), Niteroi (1) e Botucatu (1), sendo que apenas os cariocas e paulistas tiveram um tempo de acesso médio significativo (cariocas com 5 minutos e paulistas com 17 segundos). Acho que devo mudar a foto da pizza frita lá em cima para melhorar isso =)

Dessa análise, pude tirar ainda que 4 acessos foram feitos pela PUC-Rio (pessoal do mestrado e do ICAD?) e 1 foi feito pela Universidade Técnica de Lisboa (agora acredito mesmo que foi o Diogo). Firefox teve 36,59% dos acessos, seguido pelo IE com 26,83% e pelo Chrome com 21,95%. Na lanterinha, Opera teve 9,76% e  Safari teve apenas 2 acessos, ficando com 4,88% do share.

Além de gráficos e mapas bonitinhos, essa análise permite saber quem estou atingindo e como as pessoas chegam no meu blog. Dos que não vieram por acesso direto, 6 vieram pelo blog do Yuri, o Livrada, 4 vieram pelo Twitter, e dos 6 que vieram pelo Google, 5 procuravam por pizza frita (que surpresa!) e 1 queria saber os horários que o filme Os Famosos e os Duendes da Morte (já resenhado aqui e aqui) estava passando.

Também fiz a pesquisa com o meu site “sério”, de onde obtive grande parte das visitas pelo Google procurando por Fundamentos de Computação Gráfica (que é o nome de uma das páginas dedicadas aos trabalhos do mestrado), cores xyz (meu primeiro trabalho de FCG) e alguém procurou sobre como normalizar curvas (e deve ter achado interessante a curva do espaço XYZ normalizado).

Bom foi saber que houve uma queda de 19,61% nas visitações deste blog. Acho que devo me dedicar um pouco mais a ele e postar coisas mais interessantes (diferente desta postagem cheia de estatísticas). Esses resultados também serão levados em conta para melhorar o meu site sério, já que ele é a minha ferramenta de divulgação dos meus trabalhos com jogos e no mestrado =)

E fechamos o post ouvindo Rock You Like a Hurricane, do Scorpions, álbum Moment of Glory. (Daqui a pouco deve sumir ali do Gadget do Last.FM)

Categorias:Untagged Tags:

Velox

fevereiro 24, 2010 1 comentário

Meio dia caiu a conexão aqui em casa. Como é comum isso acontecer com a Velox, bastando religar o modem, tentei novamente, e de novo e de novo. Desistindo, fui trabalhar e deixei o modem desligado.

Quando retornei, religuei e nada de ter um sinal do DSL. Com um telefone ao ouvido, ligando pra Velox (0800 56 5658), usei a internet do vizinho, discretamente deixada sem proteção (ele usa um roteador D-Link) para me logar. Enquanto isso, já estou no meu terceiro telefonema pra Velox, e com um terceiro protocolo, enquanto já se passaram mais de 20 minutos desde que tentei a primeira vez.

Sou atendido e transferido para o suporte, que cai após 2 minutos com a linha muda. Enquando vou pro meu quarto protocolo (e depois desligo e tento outro número, sendo redirecionado e com a mesma coisa que antes acontecendo, dessa vez sem número de protocolo), descubro no Twitter que muita gente está tendo problemas com a Velox recentemente, coisa desde o início de Fevereiro, e não tinha tomado nota disso.

(Um tweet agora indica que um senhor cancelou a conta na Velox após 10 dias sem conexão, não quero passar por isso…)

Espero ler em algum canal amanhã sobre esse problema, se é falha interna (hahaha), manutenção que deu errado (hahaha) ou presságios bizarros do fim do mundo, já que o Sol está tendo erupções estranhas enviando ventos solares que vão afetar as comunicações, blablablá…

Para mais problemas com Oi/Velox, leiam o blog do Vinícius, ele fala de um probleminha com contratação de serviços na Oi.

E usem filtro solar. Uma notícia no Reader mostrou que os níveis de radiação UV nas capitais brasileiras estão absurdas. Vamos evitar o câncer de pele.

Categorias:Untagged Tags:

Ensinar e Aprender

setembro 9, 2009 5 comentários

É a segunda vez que dou monitoria das matérias básicas de programação na faculdade. Semestre passado foi bem movimentado nesse aspecto, além das aulas de monitoria (minha primeira experiência com aulas de fato), acabava tendo que explicar matéria que estava estudando para meus amigos (e muitas vezes tinha que aprender a matéria na hora, já que sou meio relapso com estudos…), mas a sensação de ser quase um professor veio hoje.

Quando o período recomeçou encontrei um habitué das minhas aulas de monitoria. Disse que tinha passado na matéria, a última de programação que ele tinha que fazer obrigatoriamente. Cumprimentei o rapaz e fiquei satisfeito, mas ficou uma sensação de “será que o que ensinei pra ele fez alguma diferença?”. Afinal, ele pouco provavelmente usaria o que aprendeu nas minhas aulas no trabalho, fora as estratégias de resolver problemas.

Na aula de hoje vi rostos novos e rostos conhecidos de outras aulas deste semestre. Mas foi quando chegou uma aluna que foi em algumas monitorias minhas no semestre passado que tive o estalo: essa garota tinha muita dificuldade em entender a matéria, as dúvidas dela também eram difíceis de responder, não eram como as da maioria dos alunos que entendem um pouco da matéria, o que ela perguntava demandava especificidades da matéria que acabavam criando mais dúvidas.

Eu olhei pra ela e esperei ela se lembrar de mim (minha ex chefe mal me reconheceu por causa do cabelo grande, então já me acostumei com as pessoas não me reconhecerem) e perguntei qual era a matéria que ela estava fazendo agora. Quando disse que era a última de programação, fiquei muito feliz, ela tinha superado a dificuldade e passado na matéria! As dúvidas dela continuam fazendo com que eu tenha que explicar algumas especificidades que para os outros entrariam por um ouvido e sairiam por outro, mas agora ela consegue entender melhor.

Acompanhar essa evolução dos alunos me agrada, dá uma sensação de dever cumprido. Ver o aluno que entrou cheio de dúvidas na sua aula sair de lá dizendo que volta na semana seguinte e que gostou da explicação é muito bom.

Fiquei ainda mais 15 minutos além do tempo com alguns alunos terminando de tirar as dúvidas e retornei pro meu laboratório. Lá, sentada na mesa rabiscando alguma coisa no papel, está a moça da limpeza. Ela diz que gosta do silêncio da sala (eu carinhosamente chamo isso daqui de “Caverna”), e é um ótimo lugar pra ela botar no papel o que vem na cabeça. Em seguida me confessa que largou os estudos na 5ª série e voltou para o supletivo, mas está sem muita garra pra continuar. Ela retorna ao trabalho, mesmo eu oferecendo que continue com o descanso e sugerindo que não deixe o desânimo tirá-la da escola novamente.

Penso no dia de hoje e escrevo no meu blog, há ainda trabalhos a fazer antes do show da banda Fuzzcas daqui a pouco na Vila dos Diretórios.

Categorias:Untagged Tags: